PAISAGENS FANTÁSTICAS INSPIRADAS NA NATUREZA DO BRASIL

 

O céu do Brasil, em Mato Grosso, é um fascinante caleidoscópio de mutações incríveis ao longo do dia até a noite. Que por sua vez, é uma abobada perturbadora de mistérios negros, prateados, cintilantes. É impossível ficar indiferente a tanta beleza. Estive lá, em uma fazenda chamada Santa Lúcia, da família Petrini.

 

Se há uma pessoa que não fica indiferente a tanta beleza e tamanho mistério é essa jovem e bonita Carla Petrini. Mais do que isso, ela é capaz (e como!) de registrar e transferir o que vê e o que sente para o papel.

E escolheu o meio técnico mais difícil para tal missão: a aquarela. (Onde, como se sabe, não é possível refazer o traço errado porque a pincelada denuncia).

 

Carla é dramática, expressionista. Ou impregna, no papel, essa cena que se repete, há milênios, sobre sua casa rural.

Não há ser humano em suas aquarelas e ele nem faz falta em seu caso tão pessoal de ver o entorno do Homem.

Carla pinta a Energia.

Faz, também, pinturas com tinta acrílica como esta cena de chuva ameaçadora caindo ao longe. (Tela à esquerda). E como ela sabe dosar o negro da linha do horizonte; o amarelo; o roxo; o ouro!

 

A obra do centro, nesta exposição do Painel ABCA, no MAC-USP, é uma aquarela.

A Terra está quente como na vida real e é fim de tarde. O negro e o rosa completam o crepúsculo e o silêncio é absoluto.

Todas as aves – que são milhões – já estão nos seus ninhos. E dá, até, para ver o vento que passa para dizer que a noite não vai dar medo da morte para quem está ali.

 

À direita, outra pintura com tinta acrílica.

O céu – arrebatador – expõe uma Luz que é sombra do Sol que já foi fazer o dia seguinte lá no Japão. Há roxos, pretos, amarelo, ouro.

Mas é o azul da Paz que resiste lá no alto. Acima do mundo. Boa noite!

Ave, Carla Petrini, aluna aplicada dos mistérios de Deus!

 

Olney Krüse

Membro da ABCA – Associação Brasileira de Críticos de Arte

São Paulo, 27 de  março de 1996

 

 

 

 

(Texto de apresentação da exposição “Painel ABCA”,  realizada no MAC USP, SP, em 1996 – Aquarelas)